MENU

O papel da inovação empresarial durante a pandemia

O papel da inovação empresarial durante a pandemia

Como proteger os funcionários e manter uma cultura de inovação para apoiar as operações comerciais

 

A pandemia coronavírus retirou todos os líderes e colaboradores da sua zona de conforto. Todos tivemos de encontrar novas formas de trabalhar, gerir e interagir uns com os outros. E para aqueles que ainda trabalham, tivemos de otimizar o uso da tecnologia para operar o nosso negócio na era do COVID-19.

A humanidade – juntamente com os governos nacionais de todo o mundo – está a ser testada ao máximo. Estamos a fazer o suficiente pelos nossos vizinhos? Estamos a fazer o suficiente pelas nossas sociedades? Estamos a fazer o suficiente pelos nossos colaboradores?

Os governos estão a ajudar a organizar e prestar cuidados médicos - e a considerar como e quando reiniciar gradualmente a atividade económica interrompida. Por isso, cabe ao sector privado - cabe-lhe a si como líderes e gestores - definir o seu papel não só em relação à família e aos vizinhos, mas também em relação aos colaboradores. Como traçar o caminho certo quando nunca foi tão importante para os líderes criarem ligações genuínas e transparentes com os colaboradores?

Pode ser feito. A chave: comunicar com os seus colaboradores. Articular uma visão clara. Demonstrar valores bem ponderados. Priorize as oportunidades de se conectar digitalmente com os colaboradores a todos os níveis.

Além disso, no entanto, terá de inovar de maneiras que nunca tivemos antes.

Ouçam, partilhem, comuniquem e procurem inovação.

É normal sentir-se perdido em tempos de crise. É ainda mais difícil fazer uma imagem clara do que fazer e de como se preparar para o futuro. Receber sugestões deve fazer parte da rotina diária da sua empresa. Mais do que encorajar sugestões, deve continuar a criar um ambiente que promova a inovação.

Quando ouve, constrói relações autênticas com os colaboradores – e descobre novas formas de trabalhar e interagir com os clientes. Especialmente durante a pandemia, os colaboradores precisam de confiança para enfrentar novas tarefas, gerar ideias e incentivar a inovação.

Sempre foi verdade. De facto, de acordo com a Comissão Europeia,

"Dois terços do crescimento económico da Europa nas últimas décadas tem sido impulsionado pela inovação. ... Os investimentos em investigação e inovação deverão gerar até 100.000 novos postos de trabalho em atividades de investigação e inovação entre 2021 e 2027."

Numa entrevista no Facebook Live, em abril de 2020, a futurista Amy Webb, fundadora do Future Today, afirmou:

"A dada altura, as coisas vão dar certo, e vamos descobrir o que estamos a fazer. Mas tudo é diferente, o que significa que é preciso pensar em cenários e estratégias." E acrescentou: "Há uma diferença entre o planeamento de contingência e o planeamento futuro." É aí que vem a inovação dentro das empresas."

Um estudo de 2018 da Great Place to Work ® nos Estados Unidos, Innovation By All™, analisou quase meio milhão de inquéritos a 792 empresas. Os nossos investigadores descobriram que todas as empresas podem ser colocadas em três etapas de inovação: Fricção, Funcional ou Acelerada. Estas três características podem ser vistas como os graus a que uma organização pode alavancar, mobilizar e responder rapidamente a novas informações e ideias.

Esta informação externa inclui não só os contributos tradicionais, como a concorrência e a I&D, mas também grandes desafios de mercado, como os que enfrentamos na atual pandemia COVID-19. A inovação vem não só de fora da organização, mas também de dentro dela, sob a forma de novas estratégias, ideias e ideias.

Em todos os casos, a capacidade de uma empresa inovar, adaptar-se e rodar é essencial para a sua sobrevivência. As 3 etapas de inovação oferecem uma visão de como mudar e ter sucesso.

rácio de inovação

Fonte: Great Place to Work ®, Inovation for All ™

As empresas podem ser colocadas num dos três grupos ou capacidades no que diz respeito à inovação. Estes são:

Fricção: Acontece quando os líderes e colaboradores experimentam inércia organizacional na implementação de decisões, experimentando novas abordagens ou respondendo a mudanças de mercado. Estas empresas podem, em última análise, ser bem sucedidas, mas podem ser sobrecarregadas por um potencial não realizado e podem lutar para se adaptarem ou inovarem.

Funcional: Para organizações funcionais, os autores do estudo salientam que não basta que os líderes simplesmente incentivem a autonomia e evitem a microgestão. Nestas organizações, os líderes são menos propensos a procurar ativamente as ideias dos colaboradores. Nestas empresas, é mais difícil promover um sentido de propriedade ou permitir que os colaboradores levem ideias a uma conclusão bem sucedida.

Aceleradas: As empresas deste estado partilham a capacidade de se adaptarem rapidamente às interrupções - como as que enfrentamos agora durante a pandemia. Rapidamente criam novas e melhores formas de fazer as coisas e geram ideias de alta qualidade. Quando questionados sobre o tema da inovação, os colaboradores usam frases e palavras como "desafios emocionantes", "mudança de influência", "valores" e "cuidado".

Ao comparar empresas funcionais e aceleradas, existem diferenças na atitude dos colaboradores em relação à inovação. Nas organizações funcionais, 81% dos colaboradores relataram um sentido de propriedade ou consideraram que as ideias podiam ser concretizadas. Este número aumenta para 91% nas empresas aceleradas.

Além disso, as empresas funcionais experimentam menos 63% de crescimento da receita do que as empresas aceleradas. Entre as empresas funcionais e aceleradas, os colaboradores que fizeram um ótimo lugar para trabalhar em inquéritos mostraram que são 10% menos produtivos, 13% menos ágeis e 8% menos propensos a querer trabalhar lá por muito tempo.

Então, como se encoraja as empresas a abraçar a inovação nestes tempos difíceis? É tudo uma questão de confiança.

Olhe para as mudanças que vieram da pandemia. O escritório é um excelente exemplo. Os gestores devem agora concentrar-se nos resultados, nas tarefas concluídas, e não no número de horas que os membros da equipa passam a trabalhar.

Todos devem cumprir os objetivos financeiros mínimos - ou viabilidade - durante a crise. O mais importante é cuidar das pessoas que trabalharam para moldar as suas organizações. As empresas que sobreviverão - e prosperarão novamente - devem fazê-lo em parceria com os seus colaboradores.

Agora, mais do que nunca, é hora de encorajar as capacidades empresariais dos colaboradores e realizar um conjunto diferente de planos que não poderiam ser feitos antes da crise.

Quer hoje, quer o nosso "novo normal" depois da pandemia, tem de responder à pergunta: O que vou fazer? Como vou construir confiança e inovação? Como vou transformar as ideias em ação?

* Mantenha-se atualizado sobre a ajuda oferecida pelo seu governo nacional.

* Para mais informações sobre o coronavírus, visite https://www.who.int/.

 

 

Acompanhe todos os materiais que podem ajudar a sua empresa a ultrapassar a fase de pandemia, Better toghetter

 Consulte o artigo original, The Role of Innovation in Business in the Pandemic

ARTIGOS ASSINATURA michelle